textimagens - rosaura soligo

sexta-feira, 9 de março de 2012

com licença, meu poeta

leonardo soares
Uso o silêncio para compor minhas palavras.
Não gosto de silêncios
desesperados para acontecer,
dou mais respeito
aos silêncios respeitados
que vivem nus pela vida
tipo filhote pedra rio.
Mais ou menos entendo o sotaque das águas.
Dou respeito às coisas desimportantes
e aos seres desimportantes.
Prezo atos mais que palavras.
Prezo a velocidade
das memórias acontecidas mais que a dos planos.
Tenho em mim esse atraso de presença.
Eu fui crescida
para voar como passarinho.
Tenho abundância de esperançar por isso.
O mundo que mora em mim é quase maior do que o mundo todo.
Coleciono momentos e (sem querer) desperdícios:
Migalhas de ser feliz também muito me interessam.
Queria que a minha voz tivesse poder de criar vida.
Porque eu não sou da espera:
Eu sou da esperança.
Só uso mesmo a palavra para compor meus atos.
[decalque do Apanhador de desperdícios, de Manoel de Barros, feito por Rosaura]                                         http://www.entreculturas.com.br/2010/10/manoel-de-barros-o-apanhador-de-desperdicios/ e http://www.fmb.org.br/index.php?idp=4

Um comentário:

  1. Nossa,que lindo,Ro! Fiquei emocionada... brigadu!
    beijo, Edleise.

    ResponderExcluir